sábado, 21 de abril de 2012 | Autor:

Enviado por Alessandro Martins:

ODE AO VIRA-LATA

Das criaturas, entre o céu e a terra, foi dado a uma tornar-se especial. É o cachorro vira-lata. É o rei dos bichos de nome composto, com seu verbo, seu hífen e seu substantivo.

Vira-lata é o nome científico dessa raça de cães que vive entre os homens com a liberdade que os bípedes almejam tanto e não têm, embora possuam um par de membros desocupados para fazer o que quiserem.

Um vira-lata sempre parece saber para onde vai, com seu passo decidido. E, se parado, aparenta a solidez de quem está no devido lugar, na hora certa. Os humanos, por mais que saibam para onde ir, sempre têm esse ar um tanto patético dos perdidos no mundo. Parados, mal sabem onde pôr as mãos. Por isso, inventaram os bolsos.

E eles, junto com os bolsos, criaram uma designação engraçada para o vira-lata: srd ou sem-raça-definida. Os homens precisam definir tudo. Porque os cães de raça, cada homem escolhe de acordo com o apartamento ou casa – que tem – ou personalidade – que acha que tem.

E, assim, os cães de raça, com suas designações pomposas e pedigrees, podem ser escolhidos por seus donos, criteriosamente. O vira-lata, por sua vez, prefere e sabe fazer escolhas ele mesmo. Sem árvore genealógica, atravessa a rua sozinho e consegue comida com sua humilde auto-suficiência.

Há, sem dúvida, mais nobreza em um vira-lata que em um galgo de corrida. As agruras da sarna, dos atropelamentos e das pedradas dão fibra à sua alma.

Repare naqueles que nunca tiveram um vira-lata. Parece que lhes falta algo. O sorriso, talvez, tenha menos de rabo abanando em seus componentes e mais de tédio e fleuma, ou coisa assim. O vira-lata ensina a ser feliz com pouco. Mesmo quem não tem nada pode ter um cão, desde que ELE deixe. O bêbado e o louco conversam com um vira-lata de igual para igual. Ao menos esses conseguem se alçar à altura do cão. E este lhes lambe as mãos.

Veja a procissão de cães atrás de uma única cadela. Dinastias inteiras de vira-latas foram fecundadas e fundadas em madrugadas quando até o amor, esse item em extinção, era dividido.

Vira-latas há aos montes por aí. E não tem um que seja igual ao outro. Parecidos, às vezes. Em sua miscelânea genética, ele é antes de tudo um forte. Nunca precisou de vacina pra sobreviver.

Quando perguntam por aí: se você fosse um bicho qual seria?, todos respondem coisas como águia, leão ou tigre. Eu demorei pra descobrir, mas hoje eu respondo de boca-cheia.

Se eu fosse um bicho, eu seria um vira-lata. Desses amarelos.

domingo, 12 de fevereiro de 2012 | Autor:

Compartilhe e discuta com os amigos este capítulo do nosso livro Anjos Peludos – Método de educação de cães.

Se apreciar, procure-o nas livrarias e  indique-o a quem gostar de cães.

 

Você é uma pessoa bondosa e de forma alguma cruel. Então, pense bem antes de colocar em sua casa um ser que é todo emoção, que é todo amor.

Muita gente adota um cachorro só para depois jogá-lo na rua na primeira dificuldade econômica, doença, problema para educá-lo ou sob qualquer outro pretexto. Isso é uma desumanidade! Um conhecido meu encontrou um weimaraner na rua. Tinha sido abandonado por seu des-humano por ter ficado doente! Você já imaginou se os seus pais tivessem jogado você fora quando teve as doenças infantis? Todas elas deram trabalho e despesas. Mas você não foi posto na rua.

Em alguns países é comum que na época de férias as ruas se encham de cãezinhos abandonados porque a família quer viajar e não tem com quem deixar o cachorro. Eu mesmo já recolhi dois anjinhos que foram abandonados no aeroporto e eram pessoinhas tão especiais que o fato nos partiu o coração.

Certa vez, chegando ao Brasil de uma viagem ao exterior, encontramos no aeroporto internacional um serzinho pequeno que ia de passante em passante pedindo para ser adotado. Saltando como uma molinha, como se quisesse se aboletar no colo das pessoas, o rabinho abanando intensamente e um olhar suplicante, não havia como ignorá-lo. Quando veio pulando em mim, fiz-lhe carinho e senti receptividade. Dei-lhe comida. Olhei nos seus olhinhos negros e não consegui deixá-lo lá.

Não caberia mais um ente querido de quatro (nem mesmo de duas) patas no nosso apartamento.
 Ainda assim, trouxemo-lo conosco. Deixamo-lo durante alguns dias numa clínica, em observação, tomando todas as vacinas. Quando fomos buscá-lo no veterinário sua alegria por nos rever era inacreditável. Minha amiga Virgínia se apaixonou por ele e adotou-o.

Quando perguntam sua raça digo que é street terrier. Mas é bem possível que tenha mesmo algum ascendente com pedigree. Ele tem uma índole ótima, é ultra educado, logo tornou-se vegetariano com prazer e parece estar nos dizendo o tempo todo “Obrigado, obrigado por me darem um larzinho!”. Quando fomos viajar para passar o Ano Novo no Rio, Vivi teve que deixá-lo na casa da treinadora. Ao retornarmos para buscá-lo, soubemos que ele ficou sentado diante do portão até as onze da noite esperando que sua dona voltasse.

 

Se não encontrar o livro nas livrarias, poderá pedi-lo para:

Método Distribuidora – tel. (11) 3589-7227.
Office – tel (11) 3064-3949.
Unidade Jardins (11) 3081-9821.

segunda-feira, 17 de maio de 2010 | Autor:

Gostaria de divulgar esta materia Mestre.
Abracos

http://comacomosolhos.com/pedigree-ir-repassar-1-milho-de-reais-para-ongs-e-abrigos-em-2010

Gustavo Cardoso – DeRose Method Londres – Inglaterra

__________________________

Para que nós fiquemos ainda mais felizes com a Pedigree ela precisa produzir ração vegetariana! DR

__________________________

Olá!

Não tenho uma notícia muito boa… Eu também achava essa campanha o máximo até saber de uma coisa desagradável. Essa marca, assim como várias outras de ração para animais, testam seus produtos (de maneira nada legal e muitas vezes cruel)… Em outros cães (ou gatos). Fato que a meu ver torna a campanha da Pedigree hipócrita.

A intenção é legal, mas sabemos como funciona a propaganda, nada mais é do que mostrar (ou fazer) uma imagem de uma empresa ou produto. Sabemos também que nem sempre essa imagem é real, mas apenas criada como estratégia para aumentar o número de consumidores. E é exatamente isso que a Pedigree vem fazendo com a campanha “Adotar é tudo de bom”.

Ou seja, a Pedigree tenta passar algo que não é! Pois se se importasse mesmo com os bichos não os submeteriam a tais práticas. Certamente nessa história, muitos iludidos com a imagem passada pela empresa (como já fui), compram a ração e, de certo modo, ajudam a marca em suas práticas.

Esse link do site “centro vegeteriano”explica melhor sobre a indústria das rações (e a pedigree se inclui…). No início fala mais da composição das rações, mas continuem lendo que mais adiante se diz sobre a prática de testes:

http://www.centrovegetariano.org/Article-413-Ra%25E7%25F5es%2Bmais%2B%25E9ticas.html

Muito obrigada e espero que eu tenha contribuído de certa forma (pelo menos para a informação creio que contribuí).

Mariana Sodemell
mariroots@hotmail.com

Leia mais »

terça-feira, 20 de outubro de 2009 | Autor:
 Leilane Lobo

Mestre,

Olha que linda ação!

Você assiste ao vídeo e a PEDIGREE doa um prato de ração para cães abandonados.

Já são + de 100 mil pratos doados.

Vale a pena assistir!

http://www.youtube.com/watch?v=2DR6XqBKkSMVamos entr

Bem que a Pedigree podia fazer ração vegetariana (sem tipo algum de carne, nem carne de ave, nem carne de peixe). Centenas de proprietários de cães vegetarianos que hoje usam a ração Fri-Dog, sem dúvida gostariam de variar de marca em benefício do paladar do seu peludo. DeRose

 

 

Rafael Schoenfelder

Olá Mestre,
Gostaria de divulgar aos colegas o site do PEA (Projeto Esperança Animal), que vem realizando um belo trabalho proteção e encaminhamento aos animais abandonados.
Através deste link pode-se entrar em contato e adotar um amigo de quatro patas.

http://www.pea.org.br/bicho/

Abraços
Rafael Schoenfelder
Curitiba Pr

Leia mais »

sábado, 14 de março de 2009 | Autor:

Alguém me enviou este texto, um grande amigo meu, certamente. Sempre que eu o leio, meu coração fica apertado e meus olhos se enchem de lágrimas. Mas ele não assinou. Nem informou de quem era a autoria. Assim, não posso dar o crédito a quem enviou nem a quem escreveu estas linhas tão delicadas e sensíveis. De qualquer forma, meu agradecimento a ambos.

“Existem pessoas que não gostam de cães. Estas, com certeza, nunca tiveram em sua vida um amigo de quatro patas. Ou, se tiveram, nunca olharam dentro daqueles olhos para perceber quem estava ali.

Um cão é um anjo que vem ao mundo ensinar amor! Quem mais pode dar amor incondicional, amizade sem pedir nada em troca, afeição sem esperar retorno, proteção sem ganhar nada, fidelidade vinte e quatro horas por dia?

Ah! Não me venha com essa de que os pais ou filhos fazem isso, porque os pais e os filhos são humanos, irritam-se, afastam-se…

Um cão não se afasta, mesmo quando você o agride. Ele retorna cabisbaixo pedindo desculpas por algo que talvez não tenha feito, lambendo suas mãos a suplicar perdão.

Alguns anjos não possuem asas, possuem quatro patas, corpo peludo, nariz de bolinha, orelhas de atenção, olhar de aflição e carência.

Apesar dessa aparência, são tão anjos quanto os outros (os com asas) e se dedicam aos seres humanos tanto quanto qualquer anjo costuma dedicar-se.

O bom seria se todos os humanos pudessem ver a humanidade perfeita de um cão.”